Il_almo_o_de_natal_da_spa_a_15-12-2017_91_

António Torrado recebeu Medalha de Honra da SPA com o aplauso dos seus pares


O cooperador António Torrado, membro efectivo da Direcção e um dos nomes mais destacados da literatura portuguesa, designadamente pela sua obra para os mais jovens e pela extensa e representativa obra dramatúrgica, foi distinguido com a Medalha de Honra da SPA durante o almoço de Natal que juntou membros dos corpos sociais e dirigentes de todos os departamentos da cooperativa.




António Torrado foi membro da Direcção da SPA mesmo antes da mudança operada nas eleições de Setembro de 2003 e integrou sempre a Direcção como membro efectivo para a área do teatro. Todos estes aspectos e outros relacionados com a sua vida e obra foram mencionados por José Jorge Letria, presidente da Direcção e do Conselho de Administração, que entregou a Medalha de Honra. Letria fez também referência à extensão, diversidade e importância da obra publicada por António Torrado durante décadas, formulando votos no sentido de que essa capacidade criativa se mantenha e aprofunde ainda mais.

António Torrado, surpreendido com a distinção, agradeceu esta homenagem prestada pela instituição à qual deu, ao longo de muitos anos, uma boa parte da sua energia e criatividade e reafirmou o seu desejo de continuar a contribuir para que a SPA seja um exemplo de unidade e de modernidade também no plano empresarial, servindo de exemplo a sociedades de autores também no estrangeiro pelo seu modelo de gestão e pela aposta na cultura como valor estratégico essencial.

Na intervenção que precedeu a entrega da medalha, José Jorge Letria realçou o empenhamento e a combatividade da comunidade autoral na condenação da Lei da Gestão Colectiva, agora em fase de análise jurídica no Ministério da Cultura com representantes da cooperativa e do ministério, e fez uma alusão à aposta da cooperativa no plano de cooperação estratégica no âmbito da lusofonia.

Anunciou ainda a sua intenção de ser candidato à presidência da Direcção nas eleições marcadas para 2018 (no último mandato que poderá cumprir), com o objectivo de criar uma equipa renovada que seja capaz de enfrentar as dificuldades e problemas múltiplos que resultam da situação política na Europa e da forma errada como os governos em geral, incluindo o português, estão a lidar com o direito de autor e com os problemas estruturais do sector da cultura, que carece de apoios financeiros, de medidas de carácter estrutural e de soluções criativas e estimulantes. Declarou também a determinação da SPA de combater com firmeza essa atitude, que é lesiva dos interesses e direitos de muitos milhares de criadores e também da cultura como sector de importância estratégica para o país.

Lisboa, 18 de Dezembro de 2017