Il_patxi_andion

Pesar da SPA pela morte na estrada de Patxi Andión, grande amigo de Portugal e dos portugueses

 A SPA manifesta o seu pesar pela morte num acidente de viação em Cubo de la Solana, Sória, do cantor-autor Patxi Andión, um velho amigo de Portugal e dos portugueses que a cooperativa dos autores distinguiu com a sua medalha de honra no dia 26 de Outubro de 2017, no programa mensal "Autores Contados e Cantados", de Carlos Alberto Moniz.

Ao entregar a medalha a Patxi Andión, José Jorge Letria, presidente da SPA, sublinhou a importância do seu trabalho de décadas e a frequência das suas actuações em Portugal. O cantor tinha 72 anos. Patxi Andión conduzia um Land Rover que, segundo os relatos jornalísticos, terá saído da sua faixa de rodagem.
 


 
Patxi Andión chegou, antes do 25 de Abril, a ser expulso de Portugal pela PIDE. Comemorou em Portugal a passagem dos seus 50 anos de carreira.
 
Em Novembro deste ano lançou o álbum "La Hora del Lobicán", que também celebrava a edição em 1969 do LP "Retratos".
 
O cantor estreou-se no Zip-Zip em Portugal. José Carlos Ary dos Santos traduziu alguns dos seus textos que Tonicha entretanto cantou. 
Patxi participou em 29 de Março de 1974 no grande espectáculo da Casa da Imprensa no Coliseu dos Recreios, momento em que "Grândola, Vila Morena" foi escolhida como canção-senha do movimento libertador.
 
Em Portugal lançou o álbum " O Fado e a Alma Portuguesa", no âmbito dos 125 anos do nascimento de Fernando Pessoa. Em 2014 lançou em Portugal o seu primeiro álbum gravado ao vivo. Em 2013 lançou na Casa da Música e no CCB o seu álbum"Porvenir".
 
Patxi Andión disse numa entrevista à Lusa: " A minha relação com Portugal, a música e a língua portuguesa é, de absoluto, uma paixão que existe desde a década de 1960".
 
Patxi Andión desenvolveu também actividade como docente universitário e como actor de cinema. A SPA manifesta o seu sentido pesar pela morte súbita e violenta deste antor-intérprete que se orgulhava de ser um grande amigo de Portugal e dos portugueses que muito o admiravam.
 
Lisboa, 18 de Dezembro de 2019