Usuários

Dia_do_autor_2020-st

SPA festeja os seus 95 anos sem público mas com a firmeza solidária de quem luta pela cultura


Caros cooperadores

 
A Sociedade Portuguesa de Autores comemora hoje 95 anos de vida, mas, por imposição da pandemia, fá-lo sem público e sem eventos, esperando que cheguem melhores dias, com saúde e confiança.
 
Nunca os autores portugueses enfrentaram, em muitas décadas, uma situação tão grave de privação e dolorosa incerteza em relação ao futuro. 
 
A SPA fez tudo o que estava ao seu alcance para dar respostas à crise, colocando de imediato uma verba de 100 mil euros  ao serviço dos cooperadores, adquirindo  mais de mil máscaras e um ventilador, criando um prémio de criatividade tecnológica e dialogando com o  o Presidente da República, com o governo e com outras entidades do sector. A grande urgência foi garantir disponibilidade financeira para o pagamento dos salários e para o reforço da solidariedade com os autores, por ser essa grande prioridade estratégica da instituição nesta hora dramática. Até ao final do ano, a cooperativa poderá ter um grave prejuízo da ordem do 30 por cento da sua facturação anual, o que a limita a todos os níveis.       
                                                                                
Muito mais irá ser feito enquanto se espera que o desejável regresso à normalidade volte a dar espaços e público para que os criadores e os artistas realizem o seu trabalho. Entretanto, como não podia deixar de ser, foi adiada ou cancelada toda a agenda cultural da cooperativa, com destaque para a gala anual no CCB, o que também irá ter expressão na gestão da empresa com medidas que oportunamente anunciaremos, convictos de estarmos a servir a maioria com os meios de que dispomos.
 
Com grandes responsabilidades internacionais, também por via da cooperação lusófona, a SPA mantém e honra os seus compromissos, sabendo que as suas congéneres enfrentam dificuldades similares e que ainda ninguém sabe como irá ser a vida cultural europeia nos próximos tempos e também a vida dos autores e dos artistas. Depois dos tempos de ausência vêm os de uma prolongada e dolorosa incerteza acompanhados de um visível e incontornável ponto de interrogação.
 
Por isso, o dia de festa que hoje nos devia mobilizar e juntar é acima de tudo um tempo de reflexão e de mobilização de energias para os combates seguintes.
 
Os trabalhadores da cooperativa, primeiro em regime de teletrabalho e agora com o progressivo regresso às suas funções e responsabilidades, têm estado à altura do desafio, também por saberem que dessa atitude depende a sustentabilidade dos seus postos de trabalho e ainda a sempre desejável capacidade de intervenção da SPA, casa dos autores e para os autores.
 
Hoje não foram entregues Medalhas de Honra, Prémios Prós-Autor e outras importantes distinções mas tivemos um dia de trabalho com a dedicação e a competência de toda as horas. Tudo o que iremos mudar será para fortalecer a cooperativa dos autores portugueses cujo futuro deverá também levar em conta as inevitáveis consequências da actual adversidade.     
                       
Em Junho criámos condições para que concretize uma distribuição que corresponda às expectativas e necessidades dos autores e que reflecte sobretudo o trabalho realizado em 2019 e que agora procura as indispensáveis condições de sustentabilidade. Com 26 mil associados, oito delegações e mais de 160 trabalhadores, a SPA saberá estar à altura das suas responsabilidades e deveres.
 
Como responsável por uma vasta equipa e representante da SPA na Direcção do Grupo Europeu de Sociedades de Autores em Bruxelas, sei que iremos fazer tudo o que estiver ao nosso alcance para que a cultura não deixe de ter um papel central na nossa vida económica, social e espiritual, sem permitir que nossa unidade combativa seja derrotada pelas feridas que a pandemia abriu e que só o tempo, o trabalho e a confiança colectiva conseguirão fazer cicatrizar. Outras datas e efemérides virão para ser comemoradas condignamente e para nos manter activos em nome do muito que sempre se espera de nós e que nós devemos a Portugal e aos Portugueses.
 
Lisboa, 22 de Maio de 2020

José Jorge Letria
 
Presidente da Direcção 
e do Conselho de Administração
 

 

SPA CELEBRATES ITS 95th ANNIVERSARY
WITHOUT PUBLIC BUT WITH THE SOLIDARY
FIRMNESS OF THOSE WHO FIGHT FOR THE CULTURE
 
 
 
Dear Cooperators,
 
The Portuguese Society of Authors celebrates today 95 years of existence but, due to the imposition of the pandemic, it does so without an audience and without events, hoping that better days will come, with health and confidence.
 
Never before have the Portuguese authors faced such a severe situation of deprivation and painful uncertainty about the future in many decades.
SPA did everything in its power to respond to the crisis, immediately placing a sum of 100 000 euros at the service of the cooperators, acquiring more than a thousand cirurgical masks and a ventilator, creating a prize for technological creativity and dialoguing with the President of the Republic, the government and other entities in the sector. The great urgency was to guarantee financial availability for the payment of salaries and to reinforce solidarity with the authors, as this is the institution's great strategic priority at this dramatic time.
 
Much more will be done as we hope that the much antecipated return to normality will once again provide places and audiences for creators and artists to carry out their work. However, as expected, the entire cultural agenda of our cooperative has been postponed or canceled,  namely our annual gala at CCB, which will also have an expression in the management of the company with measures to be  announced in due time, being sure that we are serving most with the means at our disposal.
 
Having great international responsibilities, SPA maintains and honors its commitments, knowing that its sister societies face similar difficulties and that no one yet knows what European cultural life will be like in the near future, as well as the lives of authors and artists. After times of absence come those of a long and arduous uncertainty, accompanied by a visible and unavoidable question mark.
 
Therefore, today’s celebration that should bring us together is, above all, a time for reflection and mobilization of energies for the combats to come.
 
The cooperative's workers, first on a telework regime and now progressively returning to their roles and responsibilities, have been up to the challenge, also because they know that the sustainability of their jobs depends on this attitude as well as SPA’s ability of intervention as the home of authors and for the authors.
 
Today there were no Medals of Honor, Author Awards or other important distinctions, but we had a day’s work with dedication and competence every hour. The changes to be made will strengthen the cooperative of Portuguese authors whose future must also take into account the inevitable consequences of the current adversity.
 
We have created the conditions for a distribution in June that measures up to the expectations and needs of the authors and that reflects mostly the work carried out in 2019, seeking now the essential conditions of sustainability. With 26 000 associates, eight delegations and more than 160 workers, SPA will know how to live up to its responsibilities and duties.
 
As responsible for a vast team and representative of SPA on the Board of the European Group of Societies of Authors in Brussels, I know that we will do everything in our power so that culture does not stop playing a central role in our economic, social and spiritual life, not allowing our combative unity to be defeated by the wounds that the pandemic has left open and that only time, work and collective trust will be able to heal.

Other dates and events will come to be celebrated with dignity and to keep us active in the name of what is always greatly expected of us and that we owe to Portugal and the Portuguese.
 
Lisbon, May 22, 2020
 
José Jorge Letria
 
President and CEO
and the President of the Board of Directors of SPA