SPA deseja que a greve dos motoristas não afecte a normalidade democrática e o país

A SPA não se pronuncia sobre a greve dos motoristas que transportam matérias perigosas, porque existe a Lei da Greve, que define os deveres e os direitos de quem a faz, e também o enquadramento constitucional que o 25 de Abril tornou possível e consolidou.

No entanto, recordando os profundos transtornos causados pela greve de Abril passado, a cooperativa dos autores portugueses não pode deixar de manifestar a sua preocupação com os prejuízos causados por este processo reivindicativo à economia, ao normal funcionamento das instituições e ao país, o que ajuda a perceber a sua impopularidade que se acentuou nos últimos dias, também por se ter sabido que o mais notório e omnipresente dirigente sindical (sindicalista-motorista ou motorista-advogado?) quer candidatar-se ao parlamento nas eleições de Outubro, aproveitando por certo o impulso desta invulgar e excessiva notoriedade mediática que a época do ano favorece.

A SPA, com cerca de 26 mil associados, com 160 trabalhadores e com delegações espalhadas desde Braga às Regiões Autónomas, tem de assegurar a mobilidade das suas estruturas e funcionários, designadamente num período em que a proliferação de festivais de Verão tanto de si exige, para bem da cultura e da vida dos artistas e autores.

Nesse sentido, apesar das dificuldades conhecidas, a SPA garantiu o abastecimento possível da sua frota automóvel e a capacidade de intervenção regular e competente dos seus serviços.

Nos últimos dias tornou-se evidente o modo como este processo reivindicativo afectou a normalidade do seu funcionamento, apesar de nenhuma função essencial ter sido posta em causa. A SPA conhece bem os seus deveres e direitos e a forma justa de actuar em nome dos autores e da cultura, conforme amplamente tem demonstrado ao longo dos anos.

Não sendo admissível a intemporalidade desta forma de luta, a SPA considera que o governo tomou, em defesa dos interesses colectivos, uma posição firme e ponderada, tendo ainda a requisição civil como medida legal de reserva, caso as regras essenciais não sejam cumpridas.

A cooperativa dos autores portugueses, também em nome da estabilidade da nossa vida cultural, faz votos no sentido de que possa ser encontrada uma solução para este confronto entre trabalhadores e o patronato sem prejuízos ainda mais notórios para a comunidade de que fazemos parte com toda a sua diversidade e complexidade, ainda por cima em ano de eleições legislativas.

Ficam também feitos votos no sentido que o oportunismo pessoal e político não leve dirigentes sindicais a radicalizarem posições já extremadas em nome dos seus interesses políticos que nos levam, legitimamente a interrogar-nos sobre o que está por trás desta radical acção sindical e daqueles que, de forma radical, dela podem tirar partido muito para além das questões salariais, para obterem um problemático ganho político.

Lisboa, 12 Agosto de 2019

Newsletter

Newsletter

    Contactos

    Av. Duque de Loulé, 31
    1069 – 153 Lisboa
    E-mail: geral@spautores.pt